Saladas Primavera na EB 2,3 da Maia para todos os gostos (vídeo)

0
330

Alface, tomate, atum, ovo e umas azeitonas. Foram estes os ingredientes escolhidos por Tiano Xavier para compor a salada que comeu ao almoço, esta terça-feira, na escola EB 2,3 da Maia. Foi mais uma das actividades desenvolvidas pelo estabelecimento de ensino com o objectivo de promover a saúde, nomeadamente a nível da educação alimentar, educação ambiental e da prática de exercício físico, interligando diversos conceitos inerentes à saúde.

As “Saladas Primavera”, assim se chama a iniciativa organizada pela escola, podiam ser compostas por alface, ervilhas, milho, tomate, pepino, cebola, cogumelos, feijão-frade, grão-de-bico, massas, rebentos de soja, atum, batatas cozidas, ovos cozidos, pasta de frango e de atum, tartes de legumes e fruta, muita fruta. Entre as 12h30 e as 14h00, o polivalente da escola transformou-se num verdadeiro refeitório ocupado por alunos e professores.

De acordo com o recém-eleito director do Agrupamento Vertical Gonçalo Mendes da Maia, Benjamim Sousa, esta é uma escola promotora de saúde e como tal fazem muitas actividades, ao longo do ano, para promover a saúde. “Esta é a última deste ano lectivo”.
“Nós entendemos que a escola tem que estar ao nível da comunidade, de toda a gente e dos alunos e prestar um apoio destes ou ensinar os alunos a comer é fundamental para nós”, acrescenta o docente, que não poupou elogios aos professores que trabalham estas actividades.

Benjamim Sousa garante que estes projectos têm dado frutos e isso é comprovado pela adesão que tem a cantina escolar. “Quanto mais procura há, é sinal que aquilo que lá se come e aquilo que lá se divulga é bom e é fruto destas divulgações que, se calhar, os miúdos procuram a cantina e continuam a comer e cada vez mais”, salienta. Há dias em que servem mais de 600 refeições, ressalva o director.
Também é verdade, acrescenta, que no actual contexto social, existem famílias a passar dificuldades e a escola tem vindo a complementar isso, mesmo junto dos alunos que não têm escalão, que não são subsidiados pelo Estado. “Temos cerca de 30 a 40 alunos que é a escola que paga a sua refeição porque entendemos que também é a função social da escola”, justifica.

E a lição parece que está bem incutida nos alunos. Isto a avaliar pela resposta dos alunos às iniciativas organizadas, seja a “Saladas Primavera”, seja a “Semana dos Lacticínios”, seja o “Festival das Sopas”. Lições que lhes transmitiu que “se deve ter uma alimentação cuidada para o nosso corpo funcionar bem e para crescermos”. Uma alimentação saudável deve ser feita com “peixe, salada, tudo o que não tenha muita gordura e não fast-food”, acrescentou Tiano Xavier.

No mesmo dia, Dia Eco-escolas, realizaram-se também outras actividades com o intuito de alertar para a necessidade de preservar o ambiente e para as vantagens de adquirirem hábitos de vida saudáveis, tais como praticar regularmente exercício físico e ter bons hábitos alimentares, entre as quais jogos tradicionais ligando a alimentação saudável e o ambiente.

Isabel Fernandes Moreira