Secretário de Estado da Educação na abertura do Supertabi da Maia

0
128

Secretário de Estado da Educação, João Costa, foi um dos intervenientes da V edição do Supertabi da Maia, em versão online.

A edição centrou a base no Espaço Make It Pedagogical, na antiga escola primária de Pedras Rubras, com a presença na mesa de trabalho de Marco Bento, coordenador do encontro de professores Supertabi, António Silva Tiago, presidente da Câmara da Maia, e Manuel João Costa, pró-Reitor da Universidade do Minho.

Os restantes convidados e oradores fizeram a sua intervenção online, tal como o secretário de Estado da Educação. João Costa deixou agradecimentos à organização e aos professores.

“O ensino presencial é fundamental, daí a grande importância que damos ao ensino presencial”, referiu o governante.

O Encontro Supertabi regressa à Maia nos 4 sábados de setembro. Devido à pandemia, as atividades deste ano decorrem online, o que resulta na inexistência de um número máximo de participantes.

O presidente da Câmara da Maia deixou um desafio para uma reflexão do equilíbrio entre novas tecnologias e boas práticas pessoais e sociais, tendo como objetivo final a “felicidade” das crianças e futuros cidadãos.

Silva Tiago referiu que “as maravilhas da Ciência e da Técnica que se revelam no nosso quotidiano, através de imensos objetos tecnológicos e ferramentas digitais que vão facilitando o nosso trabalho, a nossa comunicação e vida social são, sem dúvida, progressos apreciáveis. Mas tudo isto tem riscos, para os quais, vários especialistas têm vindo a alertar. Riscos esses que se adensam, quando os seus efeitos podem impactar a educação das crianças e jovens, transformando a sua perceção da realidade e, sobretudo, potenciam o seu isolamento e criam dificuldades de interação social, de relacionamento interpessoal e de integração social.

Não quero, não devo, nem posso desvalorizar os benefícios do uso das tecnologias, ao serviço da pedagogia e da didática na educação, bem pelo contrário, considero que esse é, todo um novo mundo de possibilidades que devemos explorar e colocar ao serviço do nosso desígnio da educação”. Mas penso que temos de procurar, também aqui no SUPERTABI, fazer o exercício do

Ainda assim, Silva Tiago frisou que devemos “refletir criticamente, sobre a necessidade de calibrar cada avanço tecnológico. Estou certo que este é o tempo de encetar um debate mais abrangente, democrático e participativo, que nos permita estabilizar um modelo de escola e de educação que consiga compaginar de forma equilibrada, o uso das soluções tecnológicas ao serviço da pedagogia, com a manutenção de boas práticas de pendor marcadamente pessoal e social, cujos resultados já estão cabalmente comprovados”.

O autarca maiato sublinhou ainda: “Enquanto sociedade, precisamos de garantir o saudável desenvolvimento cognitivo, intelectual e espiritual das nossas crianças, mas também a sua capacitação para um Mundo cada vez mais tecnológico, almejando sempre e em primeiro lugar, a sua gratificante realização pessoal e social, numa palavra, a sua felicidade.”

No primeiro sábado de setembro, dia 5, a keynote foi Shafika Isaacs, da Universidade de Joanesburgo, especialista em aprendizagem digital que atualmente colabora, entre outras, com a UNESCO.

Dia 12 será a vez de José Manuel Moran, da Universidade de São Paulo, partilhar com os participantes os conhecimentos adquiridos como professor, investigador e designer de ecossistemas inovadores na área da educação. Foi um dos fundadores do Projeto Escola do Futuro, em 1989.

María Consuelo Sáiz, da Universidade de Burgos, será a keynote do dia 19. Doutorada em Psicologia, Tecnologias Industriais e Engenharia Civil, tem realizado grande parte da sua investigação na conjugação destas áreas, focando-se particularmente na aplicação de técnicas de análise de dados na conduta humana.

Anne Adams é a última keynote a participar no evento, na sessão de dia 26. Professora na Open University, no Reino Unido, Adams apresenta uma carreira com mais de duas décadas investidas na partilha de conhecimento através da tecnologia.