Torres da Longa Vida e Ramirez encerradas por causa do surto de legionella

0
276
imagem SNS

Duas torres de refrigeração da Longa Vida, em Perafita, e da Ramirez, em Lavra, ambas no concelho de Matosinhos, foram desligadas por suspeita de serem o foco de contaminação do surto de legionela que já fez dezenas de infetados e matou nove pessoas naquele concelho, ainda em Vila do Conde e na Póvoa de Varzim. Os resultados das análises comparativas devem ser conhecidos esta quinta ou sexta feira.

O surto de ‘legionella’ que está a afetar a região do Grande Porto registou ontem mais três casos, que deram entrada no Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos, confirmou fonte da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-Norte).

Com estes novos casos, sobe para 85 o número de pessoas que contraíram a doença, desde 29 de outubro, nos concelhos de Matosinhos, Vila do Conde e Póvoa de Varzim, sendo que nove morreram com complicações associadas e 20 continuam internadas em três hospitais do distrito do Porto.

Segundo a Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte, as duas torres de refrigeração foram encerradas na passada quinta feira (dia 12). Nos dois casos, as primeiras análises à legionela foram positivas. Resta aguardar, agora, pelas análises comparativas com as secreções dos doentes. Só assim será possível comparar estirpes da bactéria e determinar com exatidão o foco de infeção. Os testes estão a ser feitos no Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge.

Ontem, em comunicado a Longa Vida confirmou que “cumprindo as indicações da autoridade de saúde e na sua presença, a título preventivo, a LongaVida desligou de imediato as suas torres de refrigeração”.

A empresa LongaVida «efetua todos os controlos exigidos por lei às suas torres de refrigeração, estando a acompanhar de perto o surto em colaboração com as autoridades que se encontram a realizar inspeções nesta área geográfica».
Referindo que “quaisquer informações” sobre este tema deverão ser prestadas pelas autoridades competentes, a empresa espera que a situação possa ser “rapidamente” esclarecida.

Norteshopping esclarece que análises deram negativo

Também no dia de ontem o NorteShopping informou que as últimas análises efetuadas nas torres de refrigeração deram negativo.

O shopping refere em comunicado que «tem implementado, há vários anos, um programa de prevenção, monitorização e controlo do sistema de ar condicionado de forma a prevenir a presença de Legionella, que inclui a realização de análises periódicas por entidades externas certificadas.
Decorrente deste programa, o Centro realizou análises a 27 de outubro e a 12 de novembro, com resultados negativos, não tendo sido detetada a referida bactéria nos seus sistemas de ar condicionado. Estes resultados foram enviados às autoridades de saúde.»

Sem uma explicação concreta para a dispersão geográfica do surto, a ARS-Norte avançou que a mesma “é compatível com uma eventual fonte ambiental sujeita aos efeitos das alterações climáticas da depressão Bárbara”.

A Câmara Municipal de Matosinhos, numa reação à suspensão das torres de refrigeração de duas fábricas do concelho, disse estar a “acompanhar de perto e com preocupação o desenvolvimento do surto”.

Na semana passada, o Ministério Público anunciou a abertura de um inquérito para investigar as causas do surto.
A doença do legionário, provocada pela bactéria ‘Legionella pneumophila’, contrai-se por inalação de gotículas de vapor de água contaminada (aerossóis) de dimensões tão pequenas que transportam a bactéria para os pulmões, depositando-a nos alvéolos pulmonares.