“Um Dia pela Vida” começou com poesia

0
230

Chama-se “Divas” a primeira equipa formada no âmbito do grupo da Maia do projecto “Um Dia pela Vida”, da Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC). E foi a responsável pela primeira actividade, realizada no sábado, na Junta de Freguesia de Vermoim. Foi uma tarde de poesia e de música de solidariedade que permitiu também angariar novos elementos para o projecto. Também por isso, e porque se aguardava a chegada de um dos declamadores convidados, a sessão começou bem mais tarde que o agendado. Com música e voz de Carlos Andrade, declamaram poemas Albino Santos, Eduardo Roseira, Fernando Campos Castro, Inocêncio Vidal, Luís Carvalho e Miguel Leitão.

O atraso no início da sessão de sábado parece ter sido produtivo. Pelo menos se pensarmos na equipa responsável pela promoção da primeira actividade. Eram apenas três os membros, tendo Aida Soares como capitã, mas até ao início do  evento a equipa já contava com 20 elementos. Em dia de aniversário, Aida Soares confessava-se “muito contente” por terem conseguido dar forma a esta primeira actividade e desejava que fosse “a primeira de muitas”. No caso das “Divas”, adiantou que a intenção é promover uma por mês. E antes de se avançar para a poesia em si, falou ainda a coordenadora regional de “Um Dia pela Vida”, Conceição Clavel, satisfeita com a adesão a esta primeira iniciativa e confiante num grande número de equipas a formar na Maia.

Confiante estava também Jaime Gonçalves, o coordenador do grupo da cidade da Maia. E confessava no início a PRIMEIRA MÃO que o dia era o da “abertura de uma página no livro de ouro da solidariedade social na Maia”, semeada em Dezembro, aquando da apresentação oficial do projecto no concelho. Ainda que algo receoso uma vez que não foram muitos os que contactaram o grupo desde essa data, admitindo que as pessoas “estão à espera que outros façam”:

Mais do que juntarem-se ao projecto para formarem equipas, tem havido ofertas de dinheiro. É certo que o projecto visa, também, a angariação de fundos para a LPCC, mas Jaime Gonçalves faz questão de reiterar que deve ser outra a forma de participação das pessoas no sentido de angariar os fundos para a investigação que conduza à tão desejada cura do cancro:

[audio:CANCRO_JAIME.mp3]

O apelo deverá ser reiterado em cada uma das actividades a promover até 17 de Abril, data da festa de encerramento. Para o dia 20 de Fevereiro está já previsto um sarau, no Auditório Venepor, e um concerto com um orfeão, embora ainda sem indicação do grupo ou da data. Para dinamizar ainda mais, é intenção do grupo da Maia promover o projecto junto das juntas de freguesia, párocos do concelho e escolas para “mexerem, construírem equipas, inventarem situações de onde resultem alguns fundos para entregar à Liga Portuguesa Contra o Cancro.

Marta Costa