"Um dia pela vida" continua a colher frutos

0
86

A pouco mais de um mês do dia decisivo, 17 de Abril, a iniciativa "Um dia pela vida", da Liga Portuguesa Contra o Cancro, continua a colher frutos. Na Maia, as acções multiplicam-se. No passado fim-de-semana, as acções multiplicaram-se.

Na passada sexta-feira, o Cinema Venepor foi palco do concerto por parte do Grupo Coral Mille Voci. No dia seguinte, uma "Hora do Conto" diferente na Biblioteca Municipal Dr. José Vieira de Carvalho. Esta foi uma iniciativa dirigida aos mais pequenos, mas todas as acções têm em comum a luta contra o cancro. De acordo com o líder do "Um dia pela vida" na Maia, Jaime Gonçalves, surgiu para colmatar a necessidade da sensibilização chegar a todos os públicos e "falar do cancro sem medo, porque ele não mete medo a ninguém", acrescenta o mentor do projecto por terras da Maia.

Jaime Gonçalves deixa um alerta, ao avisar que o cancro "é uma doença que não escolhe nem idades, nem pesos, nem gostos, nem credos, nem clubes nem partidos. Sendo assim, queremos difundir a mensagem de que é possível combatê-lo e vencê-lo". E mais importante do que "carpir o coitadinho que morreu do cancro, vamos antes torna-lo o modelo para vencermos o flagelo do cancro", considera Jaime Gonçalves.

A iniciativa está agora firme na Maia. Jaime Gonçalves usa uma alegoria para explicar a força do movimento na cidade. "Em Dezembro plantámos a semente. Em Janeiro nasceu. Em Fevereiro cresceu. Em Março vai madurar. E em 17 de Abril vamos colher os frutos". Mas até lá, ainda há muito por fazer. Os principais objectivos continuam a ser a angariação de fundos para a investigação e a sensibilização de toda a população para a problemática do cancro.

Jogo das Velhas Guardas

Em projecto está um jogo entre as velhas guardas do Futebol Clube do Porto e do Futebol Clube da Maia. "Ainda não formalizei o pedido à autarquia da Maia, mas espero fazê-lo em breve", revela Jaime Gonçalves. Além do jogo de futebol, o responsável pelo "Um dia pela vida" na Maia deixa também o desafio para a organização de "uma corrida pela vida, com a participação de atletas como a Fernanda Ribeiro e o Rui Silva".